Ter um negócio próprio ainda é o sonho de muitos, mas cuidado!

Ter um negócio próprio e dar de vez um adeus para aquele chefe chato e serviço estressante é o sonho de muita gente (e eu me incluo nesta lista!) e com certeza as pessoas se sintam bem mais realizadas e felizes ao alcançarem ao menos um relativo sucesso em seus empreendimentos. Mas nem tudo é flores! Ter sua própria empresa exige competências que não são ensinadas na escola ou em casa, pelo menos na sua grande maioria. Existem até mesmo projetos escolares que incentivam os alunos a entrarem no mundo do empreendedorismo. São iniciativas louváveis, mas alcançar o sucesso não se resume em se dar bem neles ou tirar boas notas. A vida real é bem mais dura e traz lições que podem afetar seriamente aquele idealismo inicial.

E isso não é achismo. As estatísticas mostram que de cada 10 empresas, 2 fecham nos primeiros 2 anos de vida no estado de São Paulo e que são mostradas pelo relatório disponibilizado pelo Sebrae. Para quem não sabe, o Sebrae é uma entidade privada (e não pública) que fomenta o desenvolvimento sustentável e promove a competitividade das micro e pequenas empresas. Se você quiser saber mais do conteúdo do relatório completo basta clicar aqui.

A falta de uma clara visão sistêmica ou no fluxo dos processos de uma empresa recém-criada é uma das primeiras falhas na gestão que ameaçam os aspirantes a empreendedores.

A ausência de planejamento e o desconhecimento do mercado de atuação são dois fatores que também contribuem para o fechamento precoce. Famílias que historicamente se especializaram na produção de determinados produtos ou na prestação de serviços específicos conseguem passar às próximas gerações todos os detalhes e os macetes de como tocar os negócios apesar de isso não ser uma regra tão usual nos dias atuais.

Outro erro muito comum é de os empreendedores iniciantes misturarem as finanças pessoais com as da empresa mesmo quando o negócio nem existe de fato. Você, como empreendedor, precisa saber o quanto você custa como pessoa física e como pessoa jurídica principalmente no início de sua jornada. Essa separação é de suma importância para não se arriscar financeiramente sem conhecimento de causa e também para começar do jeito correto.

Antes de tudo isso, acredito que o sucesso de um negócio começa na mentalidade de quem está disposto a assumir riscos, fazer o que for preciso mesmo não tendo vontade e ter a curiosidade de uma criança. Admito que já perdi dinheiro e cometi vários erros, mas o importante é aprender com eles e não ficar se remoendo. Isso só traz mais frustação e não leva a lugar algum. Siga em frente!

Ainda segundo o mesmo relatório do Sebrae, 99% dos empreendimentos no estado de São Paulo são de micro e pequenas empresas.

Isso mostra que é possível montar uma empresa mesmo sendo uma única pessoa que tenha a vontade de querer fazer a diferença e alcançar os seus sonhos.

Posso recomendar, para aqueles que queiram iniciar um negócio de baixo risco, a venda de bijuterias por exigir um pequeno investimento inicial e gerar altas margens de lucro. Este setor não costuma sofrer com as crises econômicas, pois trata-se de produtos baratos e de ótima aceitação pelo consumidor que é o público feminino na sua grande maioria. Atualmente, há uma infinidade de lojas virtuais de bijuterias que vendem a preços de atacado e isso ajuda muitas pessoas a viabilizar o início do negócio além de facilitar o seu primeiro pedido. É muito comum receber perguntas do tipo: quero vender bijuterias como começar? Ou ainda, desejo comprar bijuterias no atacado para revender o que fazer?

O importante é que, seja qual for o ramo escolhido, comece pequeno, mas tenha um objetivo grande, nunca esqueça de se planejar, tenha perseverança e paciência que os resultados aparecerão.

Se ainda assim, você estiver com dúvidas (o que é perfeitamente compreensível), vou deixar também disponível o link para uma matéria do site da PEGN (Pequenas Empresas & Grandes Negócios) que publicou uma matéria com o apoio do Sebrae sobre 448 ideias de negócios para você empreender em 2016.

Empreendedorismo é um processo e não um trabalho. Pense nisso!

Você pode assistir aos vídeos abaixo para receber mais dicas: